Christopher Williams

Texto original
aqui

“A história chama aqueles homens os maiores que se enobreceram trabalhando pelo bem comum; A experiência aclama como mais feliz o homem que tornou feliz o maior número de pessoas. ”-  Karl Marx, Reflexões de um jovem (1835)

Você já pensou em por que as pessoas acreditam nas coisas que fazem? De onde vêm as ideias? Onde as ideias estão localizadas? Esse é um argumento muito antigo no campo da filosofia que aborda essas questões e tem conseqüências muito importantes, como veremos a seguir.

Você provavelmente já ouviu opiniões como

“As ideias moldam o curso da história.”  - John Maynard Keynes

ou

“Você pode matar um homem, mas não pode matar uma ideia.”  - Medgar Evars

Estas declarações, se tomadas literalmente, incorporam uma tendência filosófica muito antiga e comum chamada idealismo. Esta é a visão de que nossas idéias têm uma existência separada do nosso mundo material, e que essas idéias são o que realmente moldam a nós e a nossa realidade. Alguns idealistas chegam a dizer que as idéias são as únicas coisas que realmente existem, e a realidade material é incognoscível ou inteiramente uma questão de opinião.

Este é um modo de pensar mágico e irrealista. Acreditar nesse tipo de filosofia significa ignorar o que realmente experimentamos, ignorando nosso conhecimento da ciência em geral e da neurologia, química e sociologia, em particular.

Em contraste com os idealistas, os marxistas acreditam que nossas ideias não existem separadamente de nós, e que o conhecimento não vem apenas direta e exclusivamente de nossos sentidos, como acreditavam os empiristas, mas através de nossa experiência social vivida, através de nossas reais condições materiais. Marx disse:

“Não é a consciência dos homens que determina sua existência, mas sua existência social que determina sua consciência.”

Nós recebemos dados através de nossos sentidos sim, mas a forma que os dados tomam, as conexões e o sentido que fazemos desses dados, é um processo contínuo em nossa vida diária, não apenas como indivíduos isolados, mas principalmente como seres sociais produtivos.

Nossas idéias, nossas visões de mundo, nossas filosofias e nossa cultura, então, estão enraizadas em nossas situações física e socialmente determinadas. É por isso que as opiniões dos banqueiros ricos serão muito diferentes das dos sem-teto. Isso também explica por que, normalmente, quando a estação de alguém muda de vida, também muda de opinião.

Além disso, herdamos nossas situações em nossas vidas de nossos pais e junto com muitos dos seus pontos de vista. Também recebemos muitas das nossas visões de interagir com outras pessoas que existem em uma situação social semelhante a nós mesmos.

Essas situações física e socialmente determinadas em que vivemos são o que Marx chamou de condições materiais. Ele tomou essa visão de uma humanidade moldada pelas condições materiais e a aplicou à história humana. Essa aplicação é o que Marx chama de materialismo histórico, a teoria de que a história é moldada, não por idéias, mas por condições materiais.

E qual é o principal, embora não o único, fator determinante de nossas condições materiais? Como nos relacionamos com os meios de produção em nossa sociedade. Os meios de produção referem-se às ferramentas e materiais que usamos para fazer a sociedade funcionar, e a maneira como nos relacionamos com os meios de produção é uma questão de poder e controle. Alguns membros da sociedade possuem os meios de produção e outros não.

Nós chamamos aqueles que possuem e controlam os meios de produção da classe dominante de nossa sociedade. Aqueles que não possuem nem controlam esses meios estão sujeitos àqueles que o fazem. Toda a história humana é guiada e definida por essa luta entre os interesses das classes dominantes e seus súditos. As forças materiais de produção moldam a natureza das classes que lutam pelo controle sobre elas.

Armado com essa compreensão clara e realista, a história pode ser analisada cientificamente examinando o modo dominante de produção em uso dentro de uma sociedade. Pode-se até usar essa informação para fazer previsões precisas sobre o desenvolvimento da sociedade.

Então, para resumir:

1. As idéias não vêm do nada, elas vêm de nossas condições materiais. 
2. Nossas condições materiais são definidas pelas situações sociais em que vivemos. 
3. Nossas situações sociais são determinadas principalmente pela forma como nos relacionamos com os meios de produção em nossa sociedade. 
4. Toda a história é governada por esses princípios e é definida pela luta constante pelo controle sobre os meios de produção.

Anúncios

3 comentários »

  1. Corrigindo uma tradução “station in life” = posição na vida OU posição social OU status social OU classe social.

    Ou seja, a frase “Isso também explica por que, normalmente, quando a estação de alguém muda de vida, também muda de opinião” está errada. A tradução correta é “… quando o status social (ou posição social) de alguém muda…”

    Abs

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s