Gabriel Brasileiro (publicado originalmente em 31/01/2019)

PRIMEIRAMENTE, SERIA A VENEZUELA SOCIALISTA?

O Estado venezuelano não é socialista. E isso não consiste por si só em uma crítica, certo que, de fato, ele não é. Seria mais justo, portanto, encará-lo como uma experiência que demarca uma tentativa de transição — que falhou —, não como um Estado que atingiu o socialismo propriamente dito. Em 2010, no Primeiro Congresso Extraordinário do PSUV, Chávez declarava que a Venezuela ainda era um Estado burguês a ser superado [1]. Enquanto Nícolas Maduro, em 2018, também em um congresso do PSUV, reconheceu que os modelos produtivos testados na Venezuela fracassaram, tomando para si a culpa, enquanto reconhecia que na Venezuela ainda havia um “tumor capitalista” [2]. Isso demonstra que até os próprios líderes venezuelanos já atingiram algum grau de lucidez quanto à real condição do País.

Embora seja inegável o grande controle que o Estado obteve na economia venezuelana, evidenciado por sucessivas nacionalizações de empresas [3], controles de preço [4] e de distribuição de alimentos [5], a Venezuela ainda convive com a classe capitalista, o que, dentro da terminologia marxista, a coloca em uma condição fora de tudo o que é socialismo. Afinal, socialista é a sociedade em que as classes, enquanto diferenciações relativas à divisão social do trabalho, estão em processo de abolição. No caso da Venezuela, a burguesia não só existe como se exibe na Expo Venezuela, um evento destinado a empresários, do setor público e privado, promovido por Maduro, que contou com a presença de 367 empresas em 2018 [6]. Já em outros casos, parcela da burguesia foi alvo de ações conciliatórias por parte do governo. Como no caso em que o governo venezuelano autorizou US $ 100 milhões para empresas que “respeitem a vontade do povo” [7]. Ou quando assinou 48 acordos com empresas privadas para impulsionar a produção [8]. Ou ainda quando trabalhou com o setor privado para aumentar a produção [9] e quando pediu diálogo com o setor privado, a fim de encorajar mais investimentos estrangeiros e um melhor relacionamento com a comunidade empresarial [10]. Além dos casos de maior envolvimento do setor privado na estatal petrolífera PDVSA [11] e da venda da rede de supermercados nacionalizada Abastos Bicentenario para a iniciativa privada [12]. Tendo em vista esses episódios, dentre outros, não há porque haver grandes polêmicas, a Venezuela não é socialista, haja vista suas atitudes conciliatórias com a classe que deveria combater em sua totalidade.

Se por um lado há atitudes conciliatórias com a burguesia, por outro lado há uma série atitudes do governo que jogam os proletários para fora do protagonismo que deveriam ter em uma revolução realmente socialista. Em razão disso, o Partido Comunista Internacional é expresso ao dizer que, na Venezuela, o conflito político pelo poder entre o governo e a oposição empurrou “o proletariado para longe da luta por seus verdadeiros objetivos históricos”. Ademais, o Partido também relata que:

“Sempre que um sindicato trabalhista ou um líder sindicalista tentou impulsionar a luta econômica contra essas duas frentes burguesas, o governo os reprimiu com a acusação de terrorismo e diante do silêncio cúmplice da oposição.” [13]

Esse tipo de repressão foi o que ocorreu, por exemplo, ao sindicato de Ferralca, cujos líderes foram reprimidos devido ao fato de as Assembleias dos Trabalhadores não terem abandonado as suas reivindicações trabalhistas após a empresa alvo de suas exigências — a Ferralca — ser tomada pelo governo [14]. E o que ocorreu, também, aos líderes sindicais da fábrica “Hugo Chavez” de Lacteos Los Andes em Cabudare, Estado de Lara, que foram presos após protestos pacíficos dos trabalhadores contra políticas ineficientes e improdutivas da gestão de Maduro [15]. Diante disso, percebe-se que o governo bolivariano vem desmontando o protagonismo revolucionário da classe trabalhadora. Sendo isso um forte sintoma do que Lênin chamou de oportunismo, uma falta de confiança na capacidade de autodeterminação da classe trabalhadora que acarreta em repressões contra os próprios trabalhadores [16]. Ironicamente, um tipo de pretensão oportunista semelhante foi enxergada por Marx em Simon Bolívar, o ícone do bolivarianismo, que, sob pretextos democráticos, planejava tornar-se o ditador de toda a América do Sul, segundo o comunista alemão [17]. Diante do que foi exposto, reforça-se, portanto, o caráter antirrevolucionário que a Venezuela assumiu, o que a impede de ser classificada como socialista.

O ERRO FUNDAMENTAL DA REVOLUÇÃO CHAVISTA

Dada a má fama do velho desenvolvimentismo, o senso comum parece ainda acreditar que a heterodoxia econômica continua a se firmar em alguma defesa de gastos excessivos e descontrolados do governo como política macroeconômica. Como recorda Bresser-Pereira, o velho desenvolvimentismo tinha certa tolerância com déficits fiscais. No entanto, sua proposta, em suas palavras, não possui “nenhuma complacência com o desequilíbrio fiscal”. Certo que, o novo desenvolvimentismo “rejeita as noções equivocadas de crescimento baseado principalmente nos déficits públicos que se tornaram populares na América Latina, no anos 1980, após a democratização”. Nomeando tal prática de populismo econômico, Bresser faz questão de citar notáveis economistas keynesianos latino-americanos que retiraram de suas fórmulas a defesa de déficits públicos crônicos. São eles, Celso Furtado, Raúl Prebisch e Ignácio Rangel. Além do mais, Bresser não apenas demonstrou que existiu historicamente um grupo de economistas heterodoxos comprometidos com a saúde fiscal, como mostrou, empiricamente, a correlação positiva entre poupança pública [N1] e crescimento econômico [18]. Dado que o papel do Estado no capitalismo moderno envolve a contribuição ao mantimento de condições infraestruturais para que a acumulação de capital seja possível, através de investimentos em segurança, educação, saúde, transporte, comunicação, energia etc, não é de se espantar que uma poupança pública estável e capaz de financiar os gastos públicos necessários, o que implica déficit público controlado, esteja intimamente interligada a taxas de investimento mais elevadas. Certo que, além da maior margem para investimentos públicos infraestruturais que uma poupança pública mais consistente permite [N2], o investimento privado torna-se mais propício conforme o Estado é capaz de garantir infraestruturalmente ambientes econômicos mais estáveis e estimulantes. Isso demonstra que políticas macroeconômicas comprometidas com o controle de déficits públicos são fundamentais para os Estados nacionais contemporâneos. 

Uma possível interpretação marxista desse fenômeno referente ao estágio revolucionário pode ser extraída do livro Crítica do Programa de Gotha. Onde Marx, ao pontuar sobre o produto social total, isto é, a totalidade do que é produzido pela coletividade, fala de custos gerais da administração, que não entram diretamente na produção e que são deduzidos antes de o produto social total ser distribuído entre os indivíduos. Sendo esses custos aqueles destinados ao mantimento da estrutura administrativa que torna possível a produção e a distribuição do produto social, não só durante o socialismo já construído, mas também durante o seu processo de criação [19]. Ou seja, Marx observava a necessidade de uma contabilidade social de ordem pública responsável pelo mantimento do sistema produtivo. Tendo isso em vista, é possível se perguntar o que seria de um Estado revolucionário que não conseguisse lidar com seus próprios custos administrativos gerais. Respondendo essa pergunta, pode-se dizer que um estágio de transição revolucionário que não consegue se comprometer com esse tipo de gasto, ou seja, que se submete a déficits públicos crônicos que o tornam incapazes de lidar com seus próprio custos administrativos gerais, está fadado ao fracasso. A partir deste ponto, parece não ser difícil deduzir que, em linhas gerais, esse foi o grande problema da Venezuela bolivariana.

Como exposto anteriormente, o Estado venezuelano não deve ser entendido como um Estado socialista, mas sim como um Estado que representa uma atrapalhada tentativa de transição. Isso significa que sua natureza ainda carrega atributos do modo de produção capitalista, embora formalmente seu objetivo seja superá-lo. Como destaca Marx, nem mesmo na fase baixa do socialismo os atributos do modo de produção capitalista estariam plenamente superados. Resquícios normativos burgueses continuariam presentes, dada a não superação integral das condições materiais capitalistas, o que só ocorreria na fase alta. Exatamente por isso, o alemão, ao comentar sobre a fase do socialismo com resquícios capitalistas — fase baixa —, propõe um modelo de administração, da distribuição e da produção, adequado às limitações históricas daquele momento [20]. Marx jamais poderia propor uma administração plenamente socialista a um sistema que ainda não alcançou as condições materiais para tal; o resultado seria crítico. Enquanto o sistema de preços não for superado, todo Estado que se propõe a ser revolucionário e que se encontra limitado por essa entidade deverá se preocupar com sua poupança. Justamente para conseguir sobreviver em meio a um contexto em que o mercado global, com suas constantes oscilações que não garantem estabilidade produtiva, ainda é uma realidade. A partir disso, é possível compreender porque o Estado venezuelano necessita se adequar temporariamente a certas normas macroeconômicas típicas do modo de produção que pretende superar, o capitalista, a fim de preservar sua capacidade de lidar com seus comprometimentos administrativos gerais. Desse modo, o erro fundamental que pode ser identificado na Venezuela é a falta de adequação de um plano revolucionário macroestrutural a uma administração macroeconômica correspondente às condições de mercado ainda não superadas. Sendo tal inadequação manifestada precisamente através da gigantesca irresponsabilidade venezuelana em relação aos seus déficits públicos, que estancaram sua potência revolucionária. Ademais, chama-se esse erro de fundamental porque ele é a base de toda conturbação social observada na Venezuela hoje.

MAIS UM POUCO DE CONTEXTUALIZAÇÃO 

Em 2008, quando o barril de petróleo bateu a marca histórica de US$ 138,54 [21], a Venezuela chavista acelerou muito economicamente, tendo um crescimento real do PIB de 4,9% [22]. Contudo, dada a altíssima dependência das receitas externas venezuelanas em relação ao petróleo, o boom econômico durou enquanto o preço do barril se manteve em alta. Atualmente, as receitas advindas do petróleo correspondem a cerca de 98% das receitas de exportação da Venezuela [23]. Uma dependência gigantesca que explica porque o País sofreu demasiadamente com a baixa histórica do preço do barril, cujo preço esperado pra 2019 é US$ 70 [24].

Diante disso, como bem explica o economista marxista Manuel Sutherland, não houve na Venezuela uma poupança adequada nos tempo de bonança. O que provocou, prossegue o economista, a recente falta de recursos do governo. Observa-se hoje na Venezuela uma série de despesas e investimentos que não podem mais se sustentar, o que força o aumento de taxas e preços de bens que antes eram subsidiados pela enorme renda advinda das exportação de petróleo — renda esta que hoje é ínfima —, onerando demasiadamente a classe trabalhadora [25]. Em suma, não houve o zelo adequado com a poupança pública. Francisco Rodriguez, diretor do Torino Capital, calculou que, entre 1998 e 2014 — o que engloba todo o período do mandato de Hugo Chávez —, a Venezuela poderia ter poupado US$ 228 bilhões, que seriam extensamente úteis no momento em que o preço do barril decaiu [26]. Tamanha insustentabilidade que, não por acaso, legou à Venezuela a pior colocação no ranking de Índice de Gasto Público de 2018, organizado pela Cedice, a qual utilizou como amostra 20 países da América Latina [27]. Evidenciando que Maduro continua patinando nas trapalhadas fiscais. Enquanto isso, a Bolívia, um país com governo ideologicamente próximo à Venezuela, demonstra que é possível ter ideais socialistas e um ótimo controle da poupança nacional, que passou de US$ 700 milhões para US$ 20 bilhões, atrelado a um bom crescimento econômico e sustentabilidade social [28]

Juntando isso ao fato de dados de 2017 já apontarem que o País possuía em reserva apenas US$ 10 bilhões [N3], dos quais US$ 7 bilhões consistem em barra de ouro, o que dificulta pagamentos [29], pode-se dizer que a Venezuela tornou-se um exemplo de desastre macroeconômico. E, como já explicado, isso se deve a uma falta de adequação entre os ideais revolucionários e realidade material na qual se encontra o País. Marx fala que, na fase alta do socialismo, as fontes da riqueza coletiva jorrariam em abundância [30]; a revolução venezuelana só esqueceu de que a abundância que jorrou durante a alta do petróleo não era permanente, mas sim apenas uma fase temporária que obedece as leis ainda não superadas do mercado capitalista. 

EIS A QUESTÃO, APOIAR OU NÃO A PERMANÊNCIA DE MADURO?

Embora a essência revolucionária do Estado venezuelano pareça ter se apagado, gritar em favor da retirada do Maduro do poder é ainda um posicionamento não ponderado. Uma vez que, em uma situação na qual um presidente possui pleno controle das forças armadas, não há alternativas pacíficas para afastá-lo [31]. Contudo, a sociedade civil venezuelana, contrastada ao monopólio coercitivo do Estado, não possui força suficiente para impôr interesses por meio da força. Seria necessário algum apoio externo — dos EUA, possivelmente —, cuja realização faria emergir um cenário de guerra, o que intensificaria a crise humanitária que a população venezuelana já enfrenta. Dessa forma, a saída diplomática é, inegavelmente, a mais sensata. A exemplo dos esforços internacionais que em 2003 ajudaram Chávez a superar a grave crise política que enfrentava [32]. 

Em razão disso, apoiar a permanência estratégica de Maduro não significa apoiar esquizofrenicamente seu governo, que merece todas as críticas aqui expostas. Significa ser contra qualquer intervenção militar externa com intenções golpistas e ser a favor de buscar resoluções diplomáticas pacíficas. Maduro, por hora, é a melhor — ou a menos pior — opção concreta que há para canalizar alguma solução. Uma vez que ou se apóia um apelo diplomático que respeite a soberania de um país em prol de um apaziguamento nacional menos danoso ao povo ou se apóia o agravo dos custos humanitários provocados por uma guerra estimulada por intervenção externa. Por hora, resta torcer que no futuro, quando toda essa crise estiver superada, algum movimento comunista realmente comprometido com a classe trabalhadora revolucione a Venezuela, com o zelo que seu povo merece.

NOTAS

[N1] Poupança pública consiste em receitas correntes menos gastos de consumo do governo e pagamentos de juros da dívida do governo.

[N2] Isso, de forma alguma, significa que um país deve ser austero ao ponto de prejudicar socialmente seu povo. Mas sim que os gastos públicos precisam de estabilidade, através de planejamentos bem elaborados.

[N3] Boa parte desse esvaziamento deveu-se a ações fraudulentas de importadores que aproveitavam o dólar artificialmente baixo da Venezuela para levá-los para fora através de remessas falsas de importação e de preços fraudulentos de bens importados [33].

REFERÊNCIAS

[1] PRIMER CONGRESO EXTRAORDINARIO DEL PSUV – CHÁVEZ HACE UN LLAMADO POR LA V INTERNACIONAL. Caracas, 25 fev. 2010. Disponível em: <http://www.luchadeclases.org/internacional/14-america-latina/78-venezuela/12-primer-congreso-extraordinario-psuv.html>. Acesso em: 30 jan. 2019.

[2] MADURO FALA EM ‘PRODUZIR MUDANÇA TOTAL’ NA ECONOMIA DA VENEZUELA. São Paulo, 31 jul. 2018 fev. 2010. Disponível em: <https://www.brasildefato.com.br/2018/07/31/maduro-fala-em-produzir-mudanca-total-na-economia-da-venezuela/>. Acesso em: 30 jan. 2019.

[3] CHÁVEZ NACIONALIZA 60 EMPRESAS DO SETOR PETROLÍFERO. Rio de Janeiro, 08 maio 2009. Disponível em: <https://oglobo.globo.com/economia/chavez-nacionaliza-60-empresas-do-setor-petrolifero-3166233>. Acesso em: 30 jan. 2019

[4] LEIS DE CONTROLE DE PREÇOS ENTRA EM VIGOR NA VENEZUELA. São Paulo, 25 jan. 2014. Disponível em: <http://g1.globo.com/mundo/noticia/2014/01/leis-de-controle-de-precos-entra-em-vigor-na-venezuela.html>. Acesso em: 30 jan. 2019.

[5] COM ESCASSEZ, CHAVISTAS CONTROLAM VENDA DE ALIMENTOS NA VENEZUELA. Rio de Janeiro, 29 set. 2016. Disponível em: <http://g1.globo.com/mundo/noticia/2016/09/com-escassez-chavistas-controlam-venda-de-alimentos-na-venezuela.html>. Acesso em: 30 jan. 2019.

[6] 367 EMPRESAS PRESENTES EN LA EXPO VENEZUELA 2018. [S.I.], 27 abr. 2018. Disponível em: <http://acn.com.ve/expo-venezuela-potencia-2018/>. Acesso em: 30 jan. 2019.

[7] VENEZUELAN GOVERNMENT AUTHORIZES US $100 MILLION TO FIRMS THAT “RESPECT WILL OF THE PEOPLE”. [s.l], 30 jun. 2011. Disponível em: <https://venezuelanalysis.com/news/6315>. Acesso em: 31 jan. 2019.

[8] MADURO UNVEILS ECONOMIC REFORMS, SIGNS 48 DEALS WITH PRIVATE FIRMS TO BOOST PRODUCTION. [S.l], 28 mar. 2017. Disponível em: <https://venezuelanalysis.com/news/13006>. Acesso em: 31 jan. 2019.

[9] VENEZUELAN GOVERNMENT WORKING WITH PRIVATE SECTOR TO INCREASE PRODUCTION. S.l, 16 maio 2013. Disponível em: <https://venezuelanalysis.com/news/9362&gt;. Acesso em: 30 jan. 2019.

[10] VENEZUELAN PRESIDENT CALLS FOR DIALOGUE WITH PRIVATE SECTOR, “SPECIAL ECONOMIC ZONES” AND STREAMLINED CURRENCY EXCHANGE. S.l, 26 abr. 2013. Disponível em: <https://venezuelanalysis.com/news/8858&gt;. Acesso em: 30 jan. 2019.

[11] VENEZUELA’S PDVSA OFFERS $7 BILLION BOND SWAP TO EASE DEBT BURDEN. Londres, 13 set. 2016. Disponível em: <https://www.reuters.com/article/us-venezuela-pdvsa-idUSKCN11J2E2&gt;. Acesso em: 30 jan. 2019.

[12] RED DE ABASTOS BICENTENARIOS VOLVERÁ AL SECTOR PRIVADO. Caracas, 27 nov. 2017. Disponível em: <http://www.el-nacional.com/noticias/economia/red-abastos-bicentenarios-volvera-sector-privado_213069>. Acesso em: 30 jan. 2019.

[13] VENEZUELAN WORKERS ALLEGE PERSECUTION, TRADE UNION LEADERS ARRESTED. S.l, 07 fev. 2018. Disponível em: <https://venezuelanalysis.com/news/13643>. Acesso em: 30 jan. 2019.

[14] PARTY, International Communist. Venezuela: The Inter‑Bourgeois Political Confrontation Pushes the Proletariat Away from the Struggle for Its True Historical Objectives. Disponível em: <http://www.international-communist-party.org/English/TheCPart/TCP_007.htm#Venezuela>. Acesso em: 31 jan. 2019.

[15] PARTY, International Communist. La lucha obrera desde el sindicato de base de Ferralca. Disponível em: <http://www.international-communist-party.org/Espanol/ElPartid/ElPar013.htm#Ferralca>. Acesso em: 30 jan. 2019.

[16] LENIN, Vladimir. O Oportunismo e a Falência da II Internacional. Disponível em: <https://www.marxists.org/portugues/lenin/1916/01/falencia.htm>. Acesso em: 31 jan. 2019.

[17] MARX, Karl. Símon Bolívar. Disponível em: <https://www.marxists.org/portugues/marx/1858/mes/bolivar.htm>. Acesso em: 31 jan. 2019.

[18] BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. Globalização e Competição. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009. p. 75-94.

[19] MARX, Karl. Crítica do Programa de Gotha. São Paulo: Boitempo, 2012. p. 29

[20] MARX, Karl. Crítica do Programa de Gotha. São Paulo: Boitempo, 2012. p. 30-33

[21] COMO O PETRÓLEO CHEGOU A US$ 138,54. São Paulo, 06 jun. 2008. Disponível em: <https://economia.uol.com.br/ultnot/2008/06/06/ult35u60161.jhtm>. Acesso em: 31 jan. 2019.

[22] VENEZUELA FECHA 2008 COM CRESCIMENTO ECONÔMICO DE 4,9%, DIZ BC. Rio de Janeiro, 29 dez. 08. Disponível em: <http://g1.globo.com/Noticias/Economia_Negocios/0,,MUL938329-9356,00-VENEZUELA+FECHA+COM+CRESCIMENTO+ECONOMICO+DE+DIZ+BC.html>. Acesso em: 31 jan. 2019.

[23] VENEZUELA FACTS AND FIGURES. [S.l], 2018. Disponível em:<https://www.opec.org/opec_web/en/about_us/171.htm>. Acesso em: 31 jan. 2019.

[24] MERCADO Vê PREÇO MÉDIO DO PETRÓLEO A US$ 70 EM 2019. São Paulo, 28 dez. 2018. Disponível em: <https://economia.uol.com.br/noticias/bloomberg/2018/12/28/mercado-ve-preco-medio-do-petroleo-a-us-70-em-2019.htm>. Acesso em: 31 jan. 2019.

[25] SUTHERLAND, Manuel. Crítica a la política económica del “socialismo del siglo XXI” : apropiación privada de la renta petrolera, política de importaciones y fuga de capitales. Estudios Latinoamericanos, Cidade do México, v. 1, n. 38, p.1-25, jul. 2016. Disponível em: <http://www.revistas.unam.mx/index.php/rel/article/view/57456>. Acesso em: 31 jan. 2019.

[26] VENEZUELA PERDIÓ LA OPORTUNIDAD DE AHORRAR $228.000 MILLONES. [S.l], 21 fev. 2017. Disponível em: <http://elestimulo.com/elinteres/venezuela-perdio-la-oportunidad-de-ahorrar-228-000-millones/?fbclid=IwAR1QzcHe_m2KYsUDObCsHm80niqOsmuGIr9U9QaltQp41-3xwBvUZ_Det-o>. Acesso em: 31 jan. 2019.

[27] VENEZUELA: ÚLTIMO PAÍS DEL RANKING DEL ÍNDICE DE GASTO PðBLICO 2018. [S.I], 04 jun. 2018. Disponível em: <http://cedice.org.ve/observatoriogp/venezuela-ultimo-pais-del-ranking-del-indice-gasto-publico-cedice-2018/?fbclid=IwAR36tGDV1iVximDv4r06ywGOEoyNfdTgL7sOOIi6EBR5jWovf3Gr7PmT3Ik>. Acesso em: 31 jan. 2019.

[28] COMO A BOLÍVIA SE TORNOU O PAÍS QUE MAIS CRESCE NA AMÉRICA DO SUL. [S.I], 29 out. 2017. Disponível em: <https://www.bbc.com/portuguese/internacional-41753995>. Acesso em: 31 jan. 2019.

[29] VENEZUELA ONLY HAS $10 BILLION LEFT IN RESERVES. Atlanta, 21 abr. 2017. Disponível em: <https://money.cnn.com/2017/04/21/news/economy/venezuela-cash-debt/index.html?fbclid=IwAR1AQniMPveR39qvt1QsUFm8LnQwMveU-COk4WWisf71RSPUIVUJui0v6uw>. Acesso em: 31 jan. 2019.

[30] MARX, Karl. Crítica do Programa de Gotha. São Paulo: Boitempo, 2012. p. 33

[31] MEMBROS DA CðPULA DO EXÉRCITO DA VENEZUELA DECLARAM LEALDADE A MADURO. São Paulo, 24 jan. 2019. Disponível em: <https://www.gazetadopovo.com.br/mundo/membros-da-cupula-do-exercito-da-venezuela-declaram-lealdade-a-maduro-1a3berq7hujkvlstqouw83wpp/>. Acesso em: 31 jan. 2019.

[32] ‘AMIGOS DA VENEZUELA’ NEGOCIAM SOLUÇÃO PARA CRISE NO PAÍS. [S.I], 01 fev. 2003. Disponível em: <https://www.bbc.com/portuguese/noticias/2003/030131_venezuelaebc.shtml>. Acesso em: 31 jan. 2019.

[33] VENEZUELA’S ECONOMY SUFFERS AS IMPORT SCHEMES SIPHON BILLIONS. Nova Iorque, 05 maio 2015. Disponível em: <https://www.nytimes.com/2015/05/06/world/americas/venezuelas-economy-suffers-as-import-schemes-siphon-billions.html?fbclid=IwAR0SYQ_i8k3IUhuELiGOxKNdtcvBzor88WZ8V6H3SsWPNQC__Ka8gUCfdGU>. Acesso em: 31 jan. 2019.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s